sexta-feira, 14 de julho de 2006

Amenidades Hi-Tech

Em meio à tristeza com os atentados que mutilam nossas esperanças de dias melhores, dois momentos me trouxeram um frescor abençoado. Ambas relacionadas a recentes avanços tecnológicos que beneficiam o cotidiano da vida moderna.

Ao meio-dia de hoje assisti o programa Almanaque na
GloboNews com o produtor musical João Marcelo Bôscoli. O tema girava em torno da série de especiais que estão sendo remasterizados pela Trama. Tendo como carros-chefes os especiais da Elis para a TV Cultura e para a TV Globo nas décadas de 70 e 80, o catálogo da gravadora inclui nomes como Jair Rodrigues, Tom Zé, Baden Powell, Gal Costa, Tim Maia, entre outros. Todo esse trabalho só é possível devido aos avanços tecnológicos no campo do áudio-visual. Masters com mais de quarenta anos são recuperados de tal forma que, muitas vezes é possível recuperar não só a pureza do som e da imagem como também algumas facetas do projeto que não puderam ser aproveitadas na confecção das cópias de vinil ou K7 com os recursos disponíveis na época. Ou seja, graças à tecnologia, hoje eu não posso mais ficar frustrada por ter me desfeito das minhas vitrolas mas posso ter acesso à detalhes dos arranjos que muitos de nós nem sequer conhecíamos. Com vontade e responsabilidade, nossa geração pode resgatar uma memória infindável de documentos áudio-visuais que fazem parte de nossa história em vários os aspectos e não apenas o cultural ou o político. É realmente animador.

Agora à noitinha recebemos a visita de um casal de amigos que veio me apresentar as mais recentes imagens de meu mais novo sobrinho caçula preferido: o Arthur. Seu nascimento está marcado para o final de setembro, mas – também com ajuda da tal tecnologia – pudemos contemplar suas imagens pré-natal no vídeo de seu exame ultra-som em quatro dimensões (devo confessar que minha cabecinha leiga processa direitinho os três eixos refentes ao 3D, mais esse quarto eixo, sinceramente eu não consigo encaixar em lugar algum). Bom, o fato é que o Arthur estava ali na nossa frente, mexendo as mãozinhas como quem dizia “Tá vendo, mãe, sem as mããããoooos!!!!” Dava para ver direitinho o narizinho, boquinha, pézinhos, joelhinhos, todos os inhos possíveis! Tudo ali, super nítido, sem ter que desvendar os misteriosos e fantasmagóricos códigos da versão 2D do equipamento. Sem exagero e muito clichê: foi emocionante! O guri totalmente serelepe, bem ali, na nossa frente, ou melhor, no DVD. Tudo bem que não é assim uma super novidade, mas foi minha primeira vez, oras! E isso sim, é tecnologia pura e aplicada, para deixar nossa vida mais fácil e muito mais feliz. É ou não é uma benção?

Santa Tecnologia, Batman!

PS: Mudado de pato para ganso, mas não tanto assim, já que falei de crianças e filhos e televisão, registro e recomendo o artigo da querida Klenia do boletim
Atender Bem.

2 comentários:

Dani disse...

Bacana poder ver o bebê assim, com mais detalhes. Antes era bem difícil entender o que se via... rs

É engraçado... estamos tão acostumados às inovações tecnológicas que, muitas vezes, nem percebemos o quanto somos dependentes delas. É o caso do computador (e da internet, claro!), do celular...
Vivemos muito bem sem eles, mas só até serem inventados. Agora, é impossível ficar sem computador ou celular sem nos sentirmos totalmente perdidos! :-)

Beijos, Cláudia!

nica disse...

Hahaha, acho que eu não tietaria, mas certamente teria um brilho especial nos olhos - e provavelmente pegaria um autógrafo pra coleção. ;)